Menopausa: Falar sobre a saúde íntima da mulher ainda é tabu e gera constrangimento


O conhecimento de cuidados básicos pode ajudar na prevenção de doenças infecciosas. Foto: Silviarita/Pixabay

A saúde íntima da mulher merece atenção especial. Por mais que pareça improvável, infelizmente, ainda existe muito constrangimento para falar a respeito. No entanto, o conhecimento de cuidados básicos pode ajudar na manutenção do equilíbrio da região íntima e na prevenção de doenças infecciosas muitas vezes graves.


Os cuidados necessários são associados à sexualidade, por muitas mulheres, e deixados de lado, no dia a dia. O que é um erro.

A médica ginecologista Ana Lúcia Ribeiro Valadares, professora da pós-graduação da Unicamp, membro da Comissão Nacional de Climatério da Febrasgo e diretora da Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais (Sogimig), avisa que entre os cuidados se destacam a limpeza da genitália externa na direção correta (frente para trás), após ir ao banheiro, com água pura ou com ácido láctico com lactoserum em sabonete líquido. Caso não seja possível, pode-se utilizar lenços umedecidos. Não é recomendado o uso de duchas vaginais nem de produtos perfumados, que podem levar a infecções e alergias.


Ana Lúcia alerta ainda que, em relação às peças íntimas, elas devem ser confeccionadas com tecidos arejados. É também ideal o uso de saias e vestidos.


Já durante o período menstrual, a ginecologista recomenda ainda mais atenção: “Os cuidados com a higiene têm de ser mais frequentes. Os absorventes externos devem ser trocados de acordo com o fluxo menstrual da mulher e os internos devem ser deixados para academia, piscina ou praia.


Outra questão importante é a dos piercings genitais, que podem levar a um maior risco de infecções”.

RESSECAMENTO

A mulher precisa dar atenção ao corpo em todas as fases da vida. Ana Lúcia explica que durante o climatério (peri e pós-menopausa), a queda dos estrogênios provoca a síndrome geniturinária da menopausa (SGM).


É um conjunto de mudanças nos lábios maiores e menores, clitóris, vestíbulo/introito, vagina, uretra e bexiga. Afeta em torno de 50% a 81% das mulheres de meia-idade e mais velhas, dependendo da população estudada. “A secura vaginal, que aparece como consequência, leva à dor na relação (dispareunia), queimação e coceira, sangramento, além de infecção e incontinência urinária.


A dispareunia pode levar à diminuição do desejo sexual tanto nas mulheres quanto nos seus parceiros e evasão da intimidade.


Ao contrário das ondas de calor, muito prevalentes no climatério, que tendem a diminuir com o tempo de pós-menopausa, a SGM, se não tratada, pode progredir.”


No entanto, muitas mulheres sofrem silenciosamente com a dor na relação sexual por acreditar que é algo com que têm que conviver. “Assim, essa condição é usualmente “subdiagnosticada e subtratada” pelos ginecologistas. Além dos problemas sexuais, a secura vulvovaginal pode interferir nas tarefas diárias e exame ginecológico.”

Além da menopausa natural, existem outras situações, associadas com a diminuição da produção do hormônio estrogênio, que podem levar ao desenvolvimento de secura vaginal.


Entre elas, Ana Lúcia destaca a menopausa cirúrgica (retirada dos dois ovários), lactação, exercício físico excessivo ou disfunção da alimentação e vários tratamentos de câncer que tornam os ovários inativos (radioterapia pélvica, quimioterapia, tratamentos medicamentosos para câncer de mama). “Para tratar a secura vaginal é importante ter em mente suas causas.”


Ana Lúcia explica que o uso do hormônio estrogênio tanto sistêmico quanto endovaginal restabelece a flora vaginal e melhora os sintomas de secura vaginal e queimação, bem como os sintomas urinários. “No entanto, deve-se respeitar as contraindicações.


Entre os tratamentos não hormonais temos os lubrificantes e os hidratantes. Os lubrificantes levam a alívio momentâneo e devem ser usados durante a relação sexual. Os hidratantes têm efeito prolongado, retêm a umidade vaginal e diminuem a inflamação, devendo ser utilizados duas a três vezes por semana.”

LASER E CÂNCER


A médica enfatiza que a tecnologia a laser, recentemente, foi proposta como uma nova opção de tratamento mais duradoura para o alívio dos sintomas vulvovaginais. “Os protocolos existentes recomendam três sessões mensais de aplicação de laser endovaginal e com uma sessão de manutenção anual.


O laser melhora o tecido interno do canal vaginal e vulva, aumenta a circulação local e estimula a produção de colágeno.


No entanto, ainda existem lacunas sobre a duração dos efeitos terapêuticos e a segurança de aplicações repetidas que precisam ser mais bem estudados. Ainda não é coberto nem pelo Sistema Único de Saúde (SUS) nem pelas seguradoras de saúde.”


Ana Lúcia explica que, em mulheres com história de câncer de mama e SGM, a Sociedade Norte-Americana de Menopausa (NAMS) e a Sociedade Internacional de Estudo da Saúde Sexual Feminina (ISSWSH), publicaram um consenso e pode-se, preferencialmente, utilizar os hidratantes vaginais de longa duração e lubrificantes. Entendem que o laser fracionado é uma modalidade de tratamento em potencial para SGM nesse grupo de mulheres.”

A ginecologista alerta sobre o risco do chamado rejuvenescimento íntimo com o uso do laser: “É um termo mal definido, que foi motivo de críticas pelo FDA (Food and Drug Administration, agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos).


Essa abordagem publicitária do laser deve ser desencorajada e a comunidade de ginecologistas deve impor a busca pela avaliação clínica crítica, pelo uso seguro, racional e apropriado dessa tecnologia. O laser vaginal não deve ser encarado como um procedimento cosmético banal”.

Buscar informação correta e segura é a única saída para ter a saúde íntima em dia. E o ginecologista é a fonte indicada. Ainda mais porque, em pleno século 21, esse assunto ainda é tabu ou tratado com pudor por muitas mulheres.


Para Ana Lúcia, para vencer essa barreira, a saída é a educação para o público leigo: “Estratégias educacionais e marketing multimídia devem ser estimulados para aumentar a conscientização e a compreensão da saúde íntima, que deve ser tratada com destaque. As mulheres devem procurar seus ginecologistas para que eles as orientem em relação às prevenções e tratamentos”.


Por: Lilian Monteiro

Em: https://www.uai.com.br/app/noticia/saude/2019/06/04/noticias-saude,246860/falar-sobre-a-saude-intima-da-mulher-ainda-e-tabu-e-gera-constrangime.shtml

Método mpant®
LogoNovoTransparente.png
Blog9.png

© 2017 por mpant®