Diabetes: Depois de cirurgia inédita de diabetes, Hospital de Brasília fará mais procedimentos (SUS)


A cirurgia para a cura da diabetes tipo 2 foi feita terça-feira, 25/06: paciente andou horas após deixar a sala (foto: Breno Esaki/Saude-DF)

Com o sucesso de procedimento pioneiro feito por videolaparoscopia, hospital poderá realizar até seis operações do tipo por semana. Taxa de complicação é menor que 1%.


A primeira paciente operada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para a cura da diabetes tipo 2 recebeu alta já nesta quinta-feira (27/6).


O procedimento, realizado por profissionais do Hospital Regional da Asa Norte (Hran), na terça-feira, é mais um pioneirismo da rede pública de saúde do Distrito Federal e será oferecido a todos os brasilienses que forem considerados aptos pelas equipes médicas.


O Hran poderá fazer até seis operações por semana. Não há fila de espera para a cirurgia.


Os pacientes serão encaminhados  pelos postos de saúde. Será beneficiado quem se submeteu ao tratamento com medicamentos por ao menos dois anos e não apresentou melhora.

A paciente que inaugurou a forma de tratamento já andava horas após deixar a sala de pós-operatório. Nos dois dias em que ficou no Hran se recuperando da cirurgia, que durou aproximadamente 40 minutos, ela recebeu o acompanhamento da equipe.


Nesta quarta-feira (26/6), começou a se alimentar por uma dieta especial e, pela primeira vez em anos, não precisou tomar insulina antes da refeição. Graças à cirurgia, o medicamento não fará mais parte da rotina dela.

Pelos próximos 15 dias, a mulher ficará de repouso em casa. Depois, continuará sendo acompanhada por mais um ano pela equipe médica do Hran, incluindo nutricionistas, endocrinologistas, clínicos gerais e psiquiatra. 

A intervenção foi comandada pelo médico Renato Teixeira, coordenador do Serviço de Cirurgia do Diabetes do DF. “O procedimento é simples e seguro, com riscos inferiores a 0,02%. Essa grande inovação que tem comprovação científica e a efetividade necessária para trazer qualidade de vida ao paciente”, ressaltou.


Benefícios


Antes, o procedimento era feito apenas na rede privada, de forma experimental. Contudo, em 2018, o Conselho Regional de Medicina autorizou o tratamento cirúrgico para a diabetes.


Realizada por videolaparoscopia, ele é uma espécie de cirurgia bariátrica e de redução do estômago, mas sem o fim de emagrecimento.

A cirurgia também poupará os  cofres públicos, pois, segundo o Ministério da Saúde, são gastos em torno de R$ 1 bilhão anuais só com remédios para pacientes com diabetes tipo 2.


“O tratamento de diabetes é caro e para a vida inteira. Vamos regulamentar o procedimento para garantir que todos tenham acesso igual e sejam submetidos a critérios objetivos de seleção”, garante a secretária adjunta de Assistência à Saúde, Renata Rainha.


Por: Bruna Lima

Em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2019/06/27/interna_cidadesdf,766004/depois-de-cirurgia-inedita-de-diabetes-hran-fara-mais-procedimentos.shtml

Método mpant®
LogoNovoTransparente.png
Blog9.png

© 2017 por mpant®