Alzheimer: Precisamos falar mais dessa doença


Médico conta alguns dos avanços e dos desafios para lidar com esse problema de saúde pública — e que deve crescer com o envelhecimento da população

Começa mais ou menos assim: a mesma pergunta é feita repetidas vezes. Há também uma dificuldade em acompanhar conversas e se articular. Sair do carro se transforma em pesadelo porque achar o caminho não é mais algo natural.


Comportamentos como esses evidenciam o primeiro e mais característico sintoma do Alzheimer, a perda da memória recente.


O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa que provoca a diminuição das funções cognitivas. Em poucas palavras, as células cerebrais morrem, prejudicando capacidades como memória, orientação e raciocínio. A progressão da doença acarreta em problemas mais graves, como esquecimento de fatos mais antigos,  desorientação no espaço, irritabilidade e perda da autonomia.


Falar sobre a doença de Alzheimer já é uma questão de saúde pública. No mundo, estima-se que 50 milhões de pessoas sofram de demência — grupo de distúrbios cerebrais que causam a perda de habilidades intelectuais e sociais.


De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Alzheimer é responsável por até 70% dos casos de demência.


Aqui no Brasil, o cenário é particularmente desafiador. O número de indivíduos vivendo com demência deve triplicar até 2050, segundo relatório da própria OMS. E o número de pessoas diagnosticadas com Alzheimer deve crescer em proporção semelhante.


Ainda não há cura para a enfermidade e o objetivo do tratamento se limita a frear os sintomas. Com a iminência do cenário descrito anteriormente, autoridades de saúde se veem diante de uma difícil empreitada.


Como viabilizar soluções que melhorem a qualidade de vida de pacientes e cuidadores no contexto de uma doença de evolução progressiva e inexorável?


Nesse sentido, alguns passos já foram dados. É o caso da ampliação do acesso aos tratamentos via sistema público de saúde, o que contribui para minimizar a progressão da doença e aprimorar o bem-estar de quem convive com o Alzheimer.


Há um ano o Ministério da Saúde disponibiliza o medicamento rivastigmina em adesivo transdérmico para o tratamento, como previsto no Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas.


O remédio age inibindo uma enzima responsável por degradar a acetilcolina, neurotransmissor essencial nos processos cognitivos, principalmente a memória. Ao administrá-lo, temos uma oferta maior de acetilcolina no organismo.


A versão oral da rivastigmina já era oferecida pelo SUS, mas sua ingestão pode causar alguns desconfortos gastrointestinais, como náusea, vômito e diarreia.


A vantagem do adesivo é que a medicação é liberada gradualmente através da pele, reduzindo a possibilidade de efeitos colaterais por não passar diretamente pelo trato digestivo.


Existem outras frentes que ainda precisam ser trabalhadas em termos de políticas públicas.


A complexidade da doença de Alzheimer demanda a atuação de equipes de diversas áreas e uma abordagem integral que facilite a interação médico-cuidador-paciente.


O médico atuando sozinho, aliás, é incapaz de resolver muitas das questões relacionadas à enfermidade.


As ações multidisciplinares podem interferir positivamente no tratamento, com melhoras significativas de problemas comuns como a depressão.


O Alzheimer pode não ter cura, mas, se diagnosticado logo no início, o tratamento adequado ajuda a impedir a progressão e amenizar os sintomas, proporcionando melhor qualidade de vida ao paciente e reduzindo o sofrimento dos cuidadores e da família.


O avanço da ciência abre um caminho promissor e traz esperança para toda sociedade.


Por: Dr. Rodrigo Rizek Schultz é neurologista e Presidente da Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAz)

Em: https://saude.abril.com.br/blog/com-a-palavra/precisamos-falar-mais-da-doenca-de-alzheimer/


0 visualização
Método mpant®
LogoNovoTransparente.png

Visite nosso BLOG

Blog9.png

© 2017 por mpant®